Brasil e EUA elevam oferta de grãos no mundovoltar

11/08/2017
Brasil e EUA elevam oferta de grãos no mundo
Colheita de soja em fazenda a cerca de 215 km do município de Paranatinga (MT)

 

 

Estados Unidos e Brasil mostraram nesta quinta-feira (10) o quanto vai ser grande a oferta de grãos no mundo nos próximos meses. Os órgãos responsáveis pelo acompanhamento da produção de grãos nos dois países apontam para números recordes.
A safra brasileira deste ano, que se encaminha para o final, ficará próxima de 240 milhões de toneladas.
O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) prevê 242 milhões. Já a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) estima 238 milhões.
Nos Estados Unidos, o Usda (Departamento de Agricultura) elevou a produtividade da soja, cujas lavouras estão em desenvolvimento, para um patamar superior ao que previa o mercado. Na avaliação do órgão, a produção da oleaginosa atingirá o recorde de 119,2 milhões de toneladas na safra 2017/18.
No Brasil, a safra de soja, já colhida, soma o recorde de 114 milhões de toneladas.
Em ambos os países, que estão entre os principais produtores e exportadores de grãos no mundo, o clima foi fundamental nas culturas de soja e de milho. No caso brasileiro, a maior produção se deve ainda ao aumento de 2,3 milhões de hectares na área de plantio.
As condições climáticas no Brasil favoreceram mais a safra de verão, que teve o volume produzido aumentado em 53 milhões de toneladas, em relação ao anterior. Foram colhidos 232 milhões de toneladas.
Já no inverno, a safra de trigo, a principal do período, foi afetada por fortes geadas.
Clima e redução de área de plantio fizeram a Conab reduzir a estimativa de produção do cereal para 5,2 milhões de toneladas neste ano. Em 2016, a produção atingiu 6,7 milhões de toneladas.
Os Estados Unidos também tiveram problemas pontuais de clima. O Meio-Oeste, principal área produtora de grãos do país, e que engloba 12 Estados, deverá obter produtividade menor em algumas regiões.
Área maior e produtividade boa nos Estados do Sul e do Sudeste do país, porém, devem compensar parte do rendimento menor da soja em áreas do Meio-Oeste, segundo Daniele Siqueira, analista da AgRural.
Os Estados do Meio-Oeste somam 85% da produção de grãos do país. Os do Sul e Sudeste, 13%. Nesta última região, Lousiana, Mississippi e Tennessee estão entre os que têm rendimento bom nesta safra, segundo Siqueira.
MILHO
A produção brasileira de milho deverá subir para o recorde de 97,2 milhões de toneladas, 31 milhões de toneladas a mais do que no ano passado.
Já a safra de milho dos Estados Unidos deverá recuar para 360 milhões de toneladas, 25 milhões a menos do que em 2016/17. Enquanto o Meio-Oeste, que detém 85% da produção total do país, terá uma redução de 9 sacas por hectare, os Estados do Sul e do Sudeste deverão aumentar a produtividade em 15 sacas por hectare, segundo Siqueira (Folha de S.Paulo, 11/8/17)

    Deixe o seu comentário:
Avaliar:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Resultado da Avaliação:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
0