Escândalo da carne lança dúvidas sobre oferta de ações da JBS em NYvoltar

20/03/2017
Escândalo da carne lança dúvidas sobre oferta de ações da JBS em NY

 

Executivos da JBS mal haviam acordado na sexta-feira (17) quando mensagens em seus celulares começaram a pulular. A gigante do setor de alimentos e maior produtora de carne bovina do mundo era um dos alvos da Operação Carne Fraca, deflagrada no início daquela manhã.
Nas horas que se seguiram, a cúpula da empresa, na sede brasileira em São Paulo e na base americana no Colorado, ficaria dedicada a entender a extensão do problema -a operação mirou 32 companhias- e dividir-se para tentar tranquilizar clientes e investidores ao redor do mundo.
Os telefones da empresa tocaram incessantemente. Eram ligações de varejistas, grandes supermercados e redes de fast food, que compram carne ou industrializados da JBS. A empresa é dona de uma miríade de marcas, entre elas Friboi e Seara.
Ao contrário de outras operações que envolveram o grupo nos últimos meses (veja quadro acima), a divulgação da Carne Fraca lançou dúvidas, num primeiro momento, sobre a qualidade do produto da companhia, que vende ao mercado interno e exporta para mais de 150 países.
A JBS, porém, não teve fábricas interditadas e não há menção no relatório da PF a irregularidades sanitárias da companhia, como a venda de produtos estragados.
Na noite de sexta, executivos da JBS, que teve receitas de R$ 170 bilhões em 2016, diziam haver incerteza sobre os prejuízos práticos da investigação para o negócio. O alto escalão da JBS compartilhava, porém, duas certezas: o dano à imagem da empresa era real e a turbulência não se encerraria naquele dia.
OFERTA DE AÇÕES
Uma das principais dúvidas é como ficará o cronograma para abertura de capital da JBS Foods International, dona de todos os negócios da JBS fora do Brasil, na Bolsa de Nova York. A operação, que vem sendo gestada há meses, é a principal aposta da empresa para aumentar seu poder de fogo no mercado mundial e tem sido decisiva para sustentar o preço das ações da JBS no Brasil.
Segundo um executivo ouvido pela Folha, a companhia preparava-se para, nesta semana, atualizar as informações do registro para a oferta de ações. O plano era deixar tudo pronto para que a operação pudesse ser feita de "meados para o final" de abril. Agora, os próximos passos dependerão de como investidores reagirão ao longo desta semana, diz um membro do alto escalão da companhia. Procurada, a empresa disse que não comentaria o processo.
As ações da JBS na Bolsa brasileira têm sofrido abalos. Desde julho passado, a empresa enfrenta os efeitos de investigações que miram a J&F, conglomerado da família Batista que comanda a JBS e também outras empresas como a Alpargatas (calçados), Flora (higiene e limpeza), Vigor (derivados do leite) e Eldorado (celulose).
As operações Sépsis, da Lava Jato, Greenfield e Cui Bono apuram se a J&F pagou propina a políticos e funcionários públicos para obter, por exemplo, empréstimos da Caixa à empresa de celulose.
A JBS não é alvo nesses casos, mas foi afetada. Em setembro, a Justiça determinou que Joesley Batista, presidente da J&F, e Wesley Batista, presidente da JBS, fossem afastados do cargos. Um acordo com as autoridades permitiu que retornassem.
A cada operação, o mercado reage. Na sexta (17), as ações da JBS foram as que mais caíram na Bovespa
-tombo de 10,59%. A cotação ainda está acima da registrada em 30 de junho de 2016, dia anterior à primeira operação que mirou a J&F. De lá para cá, no entanto, enquanto as ações da JBS subiram 7,7%, o Ibovespa teve alta de 25,9%.
CLIMA
A ordem na JBS é intensificar nos próximas dias a comunicação com clientes e consumidores, "correr atrás do prejuízo", como expressou um executivo. Mas o clima na companhia ainda é, em muitos casos, de indignação.
Em comentários com pessoas próximas, Wesley Batista indicou desconforto com a maneira como a operação fora divulgada, sem separar devidamente as irregularidades cometidas por pequenas empresas do que havia contra a JBS e a rival BRF (dona da Sadia e da Perdigão), segundo relatos obtidos pela Folha.
A avaliação inicial da cúpula é que a companhia não precisará reforçar sua estrutura de qualidade, que conta hoje com cerca de 2.000 funcionários, mas terá uma grande desafio de comunicação com os consumidores no mercado doméstico e no exterior.
OUTRO LADO
A JBS não quis comentar os efeitos da Carne Fraca para suas vendas e o impacto da operação sobre os planos de abertura de capital nos EUA.
Em nota divulgada na sexta (17) sobre a investigação, a companhia afirmou que a qualidade de seus produtos "é a sua maior prioridade" e a razão de ter se transformado na maior empresa de proteína do mundo.
A empresa destacou que, no despacho da Justiça, não há menção a irregularidades sanitárias da JBS e que nenhuma de suas fábricas foi interditada.
Segundo a JBS, por exportar carne para mais de 150 países, como EUA, Alemanha e Japão, a companhia é anualmente auditada por missões sanitárias internacionais e pelos clientes.
De acordo com a JBS, o grupo mantém no Brasil 2.000 profissionais "dedicados exclusivamente" a garantir a qualidade de seus produtos e das marcas Friboi e Seara. E que, "todos os anos, 70 mil funcionários têm treinamento obrigatório nessa área"
Segundo a companhia, nenhum executivo foi alvo de medidas judiciais na Carne Fraca e apenas um funcionário da unidade de Lapa (PR)foi citado na investigação.
Ainda por meio de nota, a JBS disse que "não compactua com desvios de conduta e tomará todas as medidas cabíveis". E que reitera "seu compromisso histórico com o aprimoramento das práticas sanitárias".
Em anúncio publicado nos principais veículos de comunicação do país neste sábado (17), a JBS afirmou que, nos últimos dois anos, suas unidades receberam 340 auditorias de qualidade e que é a companhia com mais certificações BRC (British Retail Consortium, na sigla em inglês), referência global em qualidade na produção de proteína animal.
A companhia sustenta que é a maior interessada no fortalecimento da inspeção sanitária no país e que os "lamentáveis casos citados na imprensa sobre produtos adulterados não envolvem nenhuma das marcas da JBS.
A empresa disse estar à disposição de autoridades, clientes e consumidores para esclarecimentos.
-
CRONOLOGIA
01/07/2016 - Deflagrada Sépsis, etapa da Lava Jato, sobre suposto esquema no FI-FGTS. J&F, dona da JBS, está entre os alvos
05/09/2016 - Deflagrada Operação Greenfield, sobre fundos de pensão. Justiça determina que Wesley Batista, presidente da JBS, e Joesley Batista, presidente da J&F, se afastem dos cargos
13/09/2016 - José Batista Júnior assume interinamente a presidência da JBS
14/09/2016 - Justiça autoriza retorno de Wesley Batista ao comando da JBS
26/10/2016 - BNDES veta reestruturação da JBS, que mudaria sede para Irlanda e lançaria ações em Nova York
05/12/2016 - JBS anuncia plano de lançar ações da subsidiária JBS Foods International em Nova York
13/01/2017 - Deflagrada Operação Cui Bono?, sobre a Caixa Econômica Federal. J&F está entre os alvos.
07/02/2017 - Ministério Público pede afastamento de Joesley Batista do comando da J&F; medida não atinge Wesley Batista.
13/03/2016 - JBS anuncia compra da empresa Plumrose USA, nos Estados Unidos
17/03/2017 - Deflagrada Operação Carne Fraca, sobre fraudes em fiscalizações de frigoríficos. A JBS é uma das 32 empresas investigadas (Folha de S.Paulo, 19/3/17)

    Deixe o seu comentário:
Avaliar:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Resultado da Avaliação:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
0