Um banco banana – Por Hélio Schwartsmanvoltar

13/09/2017
Um banco banana – Por Hélio Schwartsman

Coragem é a virtude que se exige do guerreiro, não do banqueiro. Ainda assim, o Santander tem exagerado na covardia.

O primeiro gesto público de pusilanimidade foi durante a campanha presidencial de 2014. Uma analista do banco enviara comunicado aos clientes de seu segmento alertando para o fato de que o mercado reagiria negativamente a um crescimento de Dilma Rousseff nas pesquisas eleitorais. O PT reclamou, e o Santander, em vez de bancar a análise, aliás, corretíssima, da funcionária, demitiu a moça.
Mais recentemente, o banco cancelou a conta de uma farmácia uruguaia que aderira ao programa de venda legalizada de maconha. O Santander, ao lado de várias outras casas financeiras, calcula que pode ser alvo de sanções dos norte-americanos se fizer negócios com empresas que lidam com Cannabis. A preocupação é legítima, mas o banco nem sequer esperou os EUA ameaçarem retaliar, quando poderia ter tentado argumentar que apenas cumpre a legislação do país soberano em que está instalado. Não se espera que o Santander fosse dobrar Washington, mas teria demonstrado alguma integridade, o que é sempre bom para a imagem pública.
Agora, bastou um exótico grupo de jovens que se dizem liberais queixar-se do caráter sexual de uma exposição artística organizada pelo setor cultural do banco para o Santander cancelar a mostra. Aqui, não sei se é mais urgente sugerir a essa molecada que leia clássicos liberais como John Locke e John Stuart Mill, ou à cúpula do Santander que compulse manuais de marketing. Liberais não tentam fechar exposições de arte —especialmente quando a temática é relevante, e os artistas, de primeira—, e empresas não maltratam tanto a própria imagem.
Na condição de cliente do Santander, espero que o banco não seja tão banana na hora de administrar os fundos de que sou cotista (Folha de S.Paulo, 13/9/17)

    Deixe o seu comentário:
Avaliar:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Resultado da Avaliação:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
0

Comentários

  • Pedro

    13-09-2017 | 11:48:57

    Helio, voce pode apoiar perversao sexual e chama-la de "arte" ou "deversidade". Mas as pessoas de bem tem o direito de repudiar o seu lixo. Querem fazer exposicao de seu excremento? vai em frente. Mas NAO com o nosso dinheiro nem com nosso apoio. Doeu no bolso....

  • NATALIA GANDULFO

    13-09-2017 | 09:43:30

    QUANDO AMOSTRAS DE SEXO COM CRIANÇAS, FRASES OFENSIVAS E FALTA DE RESPEITO AO RELIGIOSO FOR CONSIDERADO ARTE ENTÃO PODEREMOS CONSIDERAR ARTE TAMBÉM UMA REPRESENTAÇÃO DE UM SER QUERIDO SEU (ESPERO QUE TENHA), UMA CRIANÇA, FAZENDO SEXO COM QUEM QUER QUE SEJA - POR SE TRATAR DE ARTE - E, PORQUE NÃO? UM SÍMBOLO RELIGIOSO PARA VOCÊ (DEVE TER RELIGIÃO, NÉ?), O PRÓPRIO DEUS SENTIDO O ODOR DE SUAS FEZES. ESSA É A CLASSIFICAÇÃO DE ARTE? NÃO FALTA UM MEGA! BOM SENSO E O CULTIVO AO BELO, AO ESTÉTICO, AO QUE REALMENTE DELEITA A ALMA?